Bem-vindos ao novo mercado de sexo, onde a prostituição homossexual parece ser o novo paraíso de uns e o inferno de outros.

 De acordo com a ONG dos direitos dos homossexuais em Beirute, o mercado dos homens “escort” teve um crescimento “arrepiante”, sendo que a maior parte são refugiados da Síria e do Iraque. O mercado cresceu de tal forma que existe até uma lista com todos os “serviços”, e os devidos preços, disponibilizados pelos prestadores de sexo.

Beirute é um exemplo de igualdade de oportunidades. De acordo com uma pesquisa feita pela Al Jazeera, no Líbano, o mercado da prostituição masculina tem vindo a aumentar desmesuradamente. Responsáveis por isso são, também, as tensões no Médio Oriente, no Iraque e na Síria, que têm contribuído com um aumento exponencial de rapazes jovens, e muito jovens, que são forçados a deixar os seus países de origem, procurando a terra do leite e do mel sem um centavo no bolso, o que os torna presas demasiado fáceis para o circuito da prostituição homossexual.

A rede de televisão do Qatar entrevistou um número de homens que, obviamente, optaram por permanecer no anonimato, afirmaram ter sido forçados a prostituir-se para sobreviver. O Líbano, a terra prometida, é também controlado pelo Hezbollah o qual é, oficialmente, contra a homossexualidade mas, também é verdade que falamos de Beirute e que os hammam, e outros locais do género, são livremente frequentados por um público gay, com o conhecimento e fechar dos olhos do Partido de Deus.

Ou seja, apesar de a homossexualidade ser considerada ilegal no Líbano, o país é uma espécie de oásis para os gays de todo o Médio Oriente que, afinal de contas, parecem até ser muito bem-vindos. As forças policiais só muito raramente fazem inspeções aos locais mais frequentados pelos gays e, graças aos subornos avultados pagos pelos proprietários destes mesmos locais, as forças policiais fingem que nada vêem. Além disso, segundo a Al Jazeera, para ajudar ainda mais à aceitação deste fenómeno social e até cultural, a banda mais popular do Líbano, os “Mashrou Leila”, têm um cantor assumidamente gay.

Mas por detrás deste novo turismo sexual, deparamo-nos com a triste realidade de tantos jovens obrigados a sobreviver durante períodos de vida menos afortunados. Vários blogs, relatam histórias de jovens refugiados, e não só, que chegam a Beirute com um objetivo e que acabam de ter que se prostituir para terem casa e comida, coisas indispensáveis à dignidade humana. Um destes blogs libaneses, relatou a experiência de um jovem de nome Hassan, de origem iraquiana, que se viu obrigado a deixar o seu país, logo após a sua familia ter descoberto que era homossexual. Desesperado, chega a Beirute onde, com muita dificuldade, consegue encontrar uma casa para estar e dormir, até que um dia, sem qualquer pré-aviso, é obrigado a deixar a mesma devido ao seu envolvimento numa luta. Sem dinheiro e sem um tecto sobre a sua cabeça, é “desviado” para um local cujo proprietário é um empreendedor turco que o convence a passar a noite e a manhã seguinte com ele, a troco de 400 dólares.

Este foi o primeiro cliente de Hassan que foi seguido de muitos outros. A história de hassan não é uma história isolada, como esta, existem muitas outras centenas.

A par da prostituição, existe, também, uma lista, que é do conhecimento público dos interessados, obviamente, que diz respeito ao desempenho dos jovens acompanhantes. De acordo com a ONG LGBT, Lésbicas e Gays Libanesa, o cliente médio está disposto a pagar cerca de 200 dólares por uma noite, mas há gigolôs de série A e série B.

É no meio de tudo isto que estão, também, muitos outros sem nada e que nem sequer são homossexuais, mas que fazem parte do milhão de refugiados da Síria que estão desesperados, sem trabalho e sem pão, capazes de tudo para sobreviver.

No que diz respeito à lógica que rege o mundo da prostituição, parece que o Líbano demonstra ter uma igualdade de oportunidades, tanto para homens como para mulheres. Mas em Beirute chama-se desespero e parece não ter género. Numa palavra, uma desgraça nunca vem só.

Ana Sousa

 

Comentários

comentários