Uma das mais carismáticas figuras do século XX, o líder cubano Fidel Castro, deve andar por estes dias com as orelhas a arder. Isto porque um seu ex-segurança (Juan Reinaldo Sánchez), lançou um livro em que acusa ‘El comandante’ de levar uma vida de milionário, possuindo mais de 20 mansões, uma ilha e três iates, entre muitas outras coisas.

O ex-segurança vai mais longe e revela os podres de Fidel, o tráfico de droga, armas e diamantes angolanos, actividades que lhe terão valido uma fortuna de “mais de 1.000 milhões de dólares”, segundo o autor do livro.

Muito basicamente, o que este ‘Snowden’ cubano fez foi denunciar alguns dos segredos mais bem guardados de um dos regimes mais herméticos de que há memória. Afinal, Fidel, o grande lider da Revolução Cubana, o homem que governou Cuba durante quase 50 anos, é um ávido capitalista, vermelho mas capitalista de fina estirpe, com contas em paraísos fiscais e património incalculável.

Como se não bastasse, Fidel comporta-se como um Rei. Tem um hospital privado na ilha e dois dos seus seguranças são também dadores do seu tipo de sangue, A – (apesar de poder receber de outros tipos) que são usados sempre que há necessidade de uma transfusão de urgência.

Mas há mais. Uma das particularidades do livro é que revela ainda o lado mais privado de Fidel, as amantes espalhadas pela ilha, as mansões, o cinema privado onde gosta de assistir a filmes bélicos sobre as Guerras Mundiais. Na hora de ler, Fidel gosta de biografias de personagens históricas, Carlos Magno, Napoleão, Lenine…

Ainda segundo este seu ex-segurança, que detalha graficamente algumas cenas que presenciou, Fidel é também uma pessoa fria para com os filhos, sem quaisquer manifestações públicas, ou privadas, de carinho.

Como seria de esperar, Fidel é também um obcecado com a segurança, ele que diz já ter escapado a mais de 600 tentativas de assassinato. À sua volta, literalmente, dispõe sempre entre dez a 14 homens, enquanto num perímetro mais alargado a presença de seguranças pode chegar aos 50, segundo este seu ex-guarda costas.

O mais chocante destas revelações é que elas significam a queda de um mito. Fidel, o líder que proclama aos quatro ventos as virtudes da austeridade comunista, o revolucionário que condenou um povo a uma existência solitária, porta-se na intimidade como os capitalistas que combateu. Uma fraude.

Luís Figueiredo

 

 

Comentários

comentários