O especialista daquele programa televisivo parecia saber do que falava. As explicações dadas sobre o surto do ébola e os seus riscos eram elucidativas e convincentes. Várias vezes se referiu aos países onde a epidemia tivera maior expressão e, durante mais de uma hora, também focou os casos “surgidos na Guiné-Bissau”. Mas há ébola na Guiné-Bissau? Não, não há. O tal especialista “apenas” confundira a Guiné-Bissau com a República da Guiné. É um detalhe? Não é. Trata-se de um lapso que, nem pelo facto de ser involuntário, deixa de ter um impacto negativo na perceção subliminar que muitos milhares de pessoas passam a ter da situação na antiga colónia portuguesa, deitando assim por terra o considerável esforço de prevenção feito pelas novas autoridades daquele país, em estreita ligação com Portugal, no tocante ao surto de ébola naquela subregião.

Simultaneamente, foi divulgado que a TAP anunciou que, por “razões de segurança”, continuavam suspensos os voos de Portugal para Bissau. Na memória de todos nós está a atitude arbitrária que, há meses, as então autoridades guineenses tomaram, ao forçarem o embarque para Portugal de refugiados sírios. Portugal suspendeu então esses voos – e fez bem. Só que há um pormenor: ao contrário do tempo em que esse incidente ocorreu, as condições essenciais de segurança para as operações de transporte aéreo estão hoje asseguradas. Por que não confessar que é a recusa do pessoal da TAP, num capricho que tem muito a ver com o boato do ébola, que impede que uma linha essencial para a ligação internacional da Guiné-Bissau ao mundo exterior permaneça encerrada?

A Guiné-Bissau é um Estado historicamente frágil. O mundo associa-lhe um tropismo para a instabilidade político-militar e a ligação do território a redes de narcotráfico. Porém, é importante que saiba que aquela que foi a primeira colónia portuguesa a tornar-se independente, depois do Brasil, está atualmente a atravessar um momento de retoma do funcionamento das suas estruturas democráticas, sob uma liderança que oferece, pela primeira vez desde há muitos anos, uma janela histórica de oportunidade para a sua estabilização política. À frente do seu governo está uma personalidade que os portugueses se habituaram a respeitar, ao tempo em que foi Secretário-geral da CPLP, Domingos Simões Pereira. O executivo por ele formado é uma coligação de vários partidos e de independentes, com uma componente técnica muito forte.

Desde 1974, Portugal tem sido um dos mais fiéis amigos da Guiné-Bissau, independentemente dos ciclos políticos em que o país mergulhou. E tem de continuar a sê-lo. É absolutamente vital que o nosso país expresse uma solidariedade ativa às novas autoridades. E isso passa muito pelo modo como possamos ajudar a dar relevo aos respetivos esforços para a plena retoma da normalidade no país. Contribuir para a desinformação em torno da situação na Guiné-Bissau é um ato de grande irresponsabilidade.

Artigo que hoje publico no “Diário Económico”

duas ou três coisas – Francisco Seixas da Costa

 

Comentários

comentários