Cabo de Hornos , el lugar de encuentro del Océano Pacífico con el Atlántico, inspiró la creación de este vino ícono en el año 1994. Hoy forma parte de un grupo exclusivo de los cinco vinos ultra premium de la Viña San Pedro, llamado Grandes Vinos de San Pedro. Este vino es una representación excepcional de Cabernet Sauvignon mezclado de forma elegante con Syrah y Malbec, todos seleccionado de nuestro mejores viñedos. Cabo de Hornos es el resultado de este terroir unido al trabajo preciso, meticuloso, controlado y dedicado de enólogo Marco Puyo junto a la valiosa asesoría de Paul Hobbs.

 

Cabo de Hornos , o lugar de encontro do Oceano Pacífico com ol Atlântico, inspirou a criação deste vinho ícone no distante ano de 1994. Hoje forma parte de um grupo exclusivo dos cinco vinhos ultra-premium da Viña San Pedro, chamado Grandes Vinhos de San Pedro. Este vinho é uma representação excepcional de Cabernet Sauvignon mesclado de forma elegante com Syrah e Malbec, todas selecionadas de nossos melhores vinhedos. Cabo de Hornos é o resultado deste terroir unido ao trabalho preciso, meticuloso, controlado e dedicado do enólogo Marco Puyo junto à valiosa assesoria de Paul Hobbs.

 

Viña San Pedro começou a desenvolver o vinho Cabo de Hornos no início dos anos noventa, a partir de vinhas velhas de Cabernet Sauvignon do Vale Curicó. O Cabo de Hornos sempre demonstrou caráter próprio e estilo individual. Tanto que desde a primeira colheita em 1994 até 2002, foi obtido exclusivamente de Cabernet Sauvignon.

Hoje, em razão do crescimento do Cabo Hornos e em parte devido à procura constante do aprimoramento da qualidade por parte do enólogo-chefe da Viña San PedroMarco Puyó, houve a inclusão de pequenas parcelas de Syrah Malbec (safra2006, respectivamente 15% e 5%), oriundas dos vales do Alto Cachapoal, do Maipo e do Maule. As parcelas mais antigas de Cabernet Sauvignon continuam a ser o seu fundamento básico porque lhe possibilita grande concentração de fruta, equilíbrio e harmonia.

Um átimo de tempo para um dos mais confiáveis "super chilenos" de conhecimento deste escriba. Sim, estamos falando do delicioso Cabo de Hornos Cabernet Sauvignon 2005. A rolha estava com um décimo de seu cumprimento umidecida. Um tinto que seguramente suportaria mais dez anos na garrafa!

 

Um átimo de tempo para um dos mais confiáveis “super chilenos” de conhecimento deste escriba. Sim, estamos falando do delicioso Cabo de Hornos Cabernet Sauvignon 2005. A rolha estava com um décimo de seu cumprimento umidecida. Um tinto que seguramente suportaria mais dez anos na garrafa!

Safra 2005

A colheita desta temporada aconteceu durante a primeira semana de maio, sob condições climáticas que permitiram a colheita da uva na maturação ideal, na ausência de chuva ou outras dificuldades. A safra pode ser considerada muito boa para a sua elaboração.

Amadurecimento

O vinho é armazenado em barris de carvalho francês por 18 meses. Após esse período de guarda, é engarrafado sem filtragem para preservar toda sua concentração e continua amadurecendo por mais um ano na garrafa antes de ser liberado para o mercado.

Impressionante o estado de conservação da rolha do Cabo de Hornos 2005.  A seriedade e honestidade de alguns  produtores chilenos deveria servir de exemplo para os europeus, que produzem alguns dos melhores vinhos do mundo e, amiúde, utilizam rolhas de má qualidade. Neste blog, veja matéria sobre o Sassicaia 2010.

 

Impressionante o estado de conservação da rolha do Cabo de Hornos 2005. A seriedade e honestidade de alguns produtores chilenos deveria servir de exemplo para os europeus, que produzem alguns dos melhores vinhos do mundo e, amiúde, utilizam rolhas de má qualidade. Neste blog, veja matéria sobre o Sassicaia 2010.

 

Degustação – Cabo de Hornos 2005 – 14,7% álcool – Cabernet Sauvignon (90% – Molina), Cabernet Sauvignon (7% – Cachapoal) e Syrah (3% – Alto Cachapoal) – World Wine – R$ 220,00 – importador atual: Interfood/Todo Vino – preço: R$ 292,90 (safra 2009) – tel 011 11 2602 -7266 – vermelho-rubi violáceo quase negro com discretíssimo halo granada em formação nas bordas. Nos aromas os típicos da Cabernet Sauvignon com fruta madura (cereja), licor de cassis, cedro e tabaco sobre uma nota de fruta em compota – goiabada (muito crítico brasileiro reduz, nas avaliações, as notas dos tintos chilenos por entender que esse tipo de aroma é defeituoso. Não concordamos com isso, porque antes de um defeito é uma característica do solo chileno, que aporta esse tipo de aroma. São solos pobres em matéria orgânica e rico em minerais, principalmente cobre. No Maipo, por exemplo, os solos são aluviais e coluviais). Na boca suplantou o nariz por conta de sua complexidade gustativa. Encorpado, potente, rico, taninos finíssimos, acidez razoável, a madeira vem em segundo lugar e não encobre a fruta, que se apresenta na forma de amoras e ameixas em calda. Longo, intenso, é também forte, aveludado e aguenta, sem exagero de cinco a dez  anos na garrafa (é reconhecidamente longevo) para ganhar ainda mais harmonia. Não podemos olvidar que seu estilo conta com um leque amplo de seguidores. Termina muito longo e deliciosamente macio. Avaliação: 90/100 pts. +

Contrarrótulo rasgado: mais uma vítima de uma adega chinesa da marca Fuxin

Contrarrótulo rasgado: mais uma vítima de uma adega chinesa da marca Fuxin

Blog do Jeriel
 

Comentários

comentários