Este post foi originalmente publicado neste site

 

 

Mayak - satélite russo poderá ser a estrela mais

 

Meu Portugal, sem rei nem roque

De alma à chuva e corpo ao vento

Num abrigo tem a mente

Sempre à espera do Sol-nascente

 

Alheio anda, sempre adiado

Cão rafeiro bem-educado

Passa a vida enfileirado

Já nem nota o cadeado.

 

Minha gente no nevoeiro

Já nem sabe p’ra onde vai

No escuro tudo é brilho

E os satélites brilham mais.

 

ACDJ-Prof. Justo-1.jpg

António da Cunha Duarte Justo

 

Comentários

comentários