Este post foi originalmente publicado neste site

 

 

Uma das grandes vantagens da Comissão Parlamentar de Inquérito à CGD (convém lembrar que foi iniciativa de Passos Coelho e muito contestada pelo PS) é a informação prestada por todos os envolvidos, ao longo dos anos, nos processos deste banco. Pouco importa se teremos, ou não, conclusões mas ficamos a saber como foram tomadas algumas das decisões que geraram concessões de crédito que todos nós pagaremos e bem caro. Vale a pena ler as declarações de Teixeira dos Santos que diz exatamente o contrário do seu antecessor Luis Campos e Cunha. Claro que Sócrates nega tudo. Cada um que tire as suas conclusões mas fica para o anedotário a afirmação de Teixeira dos Santos a propósito daquilo considerou como “coincidência” a indicação dos nomes  de Vara e de Santos Ferreira: “são da minha responsabilidade. Foram uma decisão minha que transmiti ao primeiro-ministro.” E para cereja em cima do bolo no que à escolha de Vara diz respeito: “Fez carreira na Caixa, era diretor. tinha conhecimento dos cargos de direção da Caixa e capacidade de liderança. Fazia a ligação entre a administração e a Caixa e sinalizava que os quadros da Caixa poderiam chegar à administração”.

 

Comentários

comentários